23 de 101 – Como Treinar seu Cérebro para o Sucesso – Parte 1

Como Treinar seu Cérebro para o Sucesso

post23

Houve uma época na minha vida em que eu tive que morar em uma república no bairro da Moóca em São Paulo, logo depois de eu ter quebrado a minha primeira empresa.

Eu não tinha dinheiro para pagar um lugar legal para morar e por isso tive que dividir uma casa com outras 20 pessoas.

E nessa época tudo o que eu via ao meu redor me lembrava que eu estava quebrado, falido e sem perspectiva nenhuma de futuro.

Por conta disso, a minha autoestima estava lá embaixo e a minha capacidade de criar meu próprio futuro e definir o meu próprio destino havia dado lugar à derrota.

Eu olhava em volta, no lugar onde eu morava, e só via beliches, estudantes sustentados pelos pais e alguns poucos trabalhadores que viviam com pouco mais de um salário mínimo por mês.

Cada dia a mais que eu ficava ali, dava a impressão de que aquela era a realidade do mundo.

Eu tinha a impressão de que o mundo estava falido.

A única alegria que a maioria das pessoas que moravam ali demostravam era quando faziam uma vaquinha para comprar um garrafão de vinho, ou quando chegavam do bar da faculdade… bêbados.

Como se não bastasse, eu morava em um quarto com janela para a rua, e a vista da janela dava para um albergue para moradores de rua.

Então, no fim da tarde, eu via aquela fila enorme de pessoas desabrigadas que chegavam ali para conseguir abrigo e comida. Nem todos conseguiam vaga para dormir e, quando caia a noite, muitos deles dormiam ali mesmo na calçada.

Eu não me sentia muito diferente deles, e olhar pela janela só reforçava a minha ideia de que o mundo estava falido e que todos nós vivíamos num inferno.

Tudo o que eu via ao meu redor me fazia lembrar de que eu havia falido, estava quebrado, havia empobrecido e tudo o que um dia eu fui de bom, agora já não existia mais.

Eu morava em meio aos mendigos, era assim que eu me sentia.

Eu era um fracassado que não tinha nem dinheiro para pagar um lugar para morar em que eu me sentisse bem, ou pelo menos, que não me sentisse um total derrotado.

Hoje eu penso que não era nem o fato de morar em uma republica ou de a república ficar na frente de um abrigo para mendigos, mas sim, o PORQUE eu estava lá.

Eu estava lá porque não tinha escolha.

A pior coisa que pode acontecer com alguém é perder o seu direito de escolha.

Bom, os meses foram se passando e eu fui percebendo que eu precisava reagir de algum modo. Eu precisava fazer alguma coisa para virar o jogo.

Então eu comecei a pensar sobre o que eu poderia fazer para mudar aquela situação e, quando eu caí na real para o que realmente havia acontecido comigo, ficou claro que eu precisava TREINAR novamente A MINHA MENTE PARA TER SUCESSO.

Então eu comecei a procurar uma maneira de fazer isso acontecer, quando um tempo depois criei um hábito que me ajudou a mudar de vida.

Sempre que eu podia, pegava um metrô da Moóca para a Avenida Paulista, escolhia um dos Cafés da avenida, como o Frans Café ou Starbucks, comprava 1 café (era só o que dava pra pagar) e ficava sentado lá observando.

Observava as pessoas bem vestidas, falantes, muitas de terno, outras com seus notebooks e celulares que valiam uns 2 anos de aluguel do quarto onde eu morava… enfim… pessoas que estavam em uma situação MUITO melhor do que a minha.

Inclusive, em um desses cafés eu cheguei a pagar 12 reais em um café, e depois voltar a pé pra casa porque o dinheiro não dava pra pegar o metrô de volta.

Mas valeu a pena!

Nesse dia, como nos outros dias em que eu fiz a mesma coisa, eu tomei meu café sem pressa enquanto observava aquelas pessoas.

Sem olhar para o relógio, eu ficava percebendo os sons, os cheiros dos perfumes caros, da madeira dos móveis, do café, das tortas caríssimas, observando o brilho da logo em forma de maçã no notebook do cara de gravata, ouvindo a boa música, as gargalhadas, aquele barulho de conversa animada…

Fui observando tudo aquilo por alguns dias, e fui me sentindo bem melhor, e percebendo que a realidade do mundo não era só a minha, que era uma realidade de fracasso.

Haviam outras realidades.

Havia uma realidade de sucesso, haviam pessoas que estavam indo bem.

Haviam pessoas sorrindo, discutindo negócios, crescendo na vida. E haviam pessoas como essas aos montes.

Não era o mundo que estava falido, eu é que estava no lugar errado e estava me deixando contaminar por um ambiente que me fazia ter uma visão pobre do mundo.

No dia em que eu gastei o último dinheiro que eu tinha com um café, eu voltei pra casa a pé, mas voltei pra casa bem.

Voltei bem porque entendi que eu poderia virar o jogo, só precisava me desacostumar com o ambiente de fracasso e me acostumar com o ambiente de sucesso.

Ficou claro que o ambiente em que eu estava vivendo treinava a minha mente para o fracasso, mas se eu fosse capaz de mudar o meu ambiente, eu poderia treinar a minha mente para o sucesso e então virar o jogo.

Nesse ritual de ambientação, na construção desse hábito de frequentar lugares que me faziam lembrar que o sucesso é real, minha mente foi se ajustando.

Alguns meses depois eu consegui algum dinheiro, me mudei para Florianópolis (Santa Catarina), para um lugar com uma vista incrivelmente inspiradora, e a minha mente foi entrando no eixo e voltando a trabalhar a favor do meu sucesso.

Um tempo depois eu virei o jogo, e hoje estou escrevendo estas linhas em um dos melhores momentos da minha vida.

Tudo isso por ter entendido um dos princípios mais importantes da vida:

Algumas coisas custam mais do que dinheiro.
Algumas coisas são CUSTO DE MINDSET!

Vou dar um exemplo concreto:

Você vai viajar e precisa se hospedar em um hotel quando percebe que ele custa um pouco mais do que você gostaria de pagar. Então você descobre que existe um outro hotel, do lado desse, que é bem mais barato.

Ele é menos confortável, o atendimento não é tão bom, você mesmo estaciona seu carro, não há ninguém para ajudar você com as malas, não tem frigobar no quarto, o ar-condicionado é daqueles de janela com uma só temperatura…

Mas é mais barato, então você fica.

Você economizou uma grana e se sentiu na vantagem, porque conseguiu ficar em um hotel na mesma localização, só que sem pagar tanto quanto o outro.

Na maioria das vezes a gente não percebe, mas em muitas ocasiões, a sua economia de dinheiro lhe custa MINDSET.

O seu cérebro pode começar a acreditar que você não tem dinheiro para se hospedar em um hotel melhor, e sem perceber, você começa a desenvolver uma mentalidade de escassez.

Sua mente empobrece, e por consequência, suas atitudes começam a sabotar você.

Com o tempo, a pobreza chega e você culpa a crise, a política, o sócio, todo mundo, menos o real vilão…

O CUSTO DE MINDSET!

São pequenas escolhas que vão minando os seus pensamentos até que você internaliza isso como verdade, mesmo sem se dar conta.

A pobreza se instala primeiro no cérebro, depois na conta do banco. Então você economiza dinheiro na hora, mas perde o mais importante…

A SUA MENTALIDADE DE SUCESSO!

Você começa a pensar que o dinheiro vem com dificuldade, e por conta disso economiza cada vez mais. E quanto mais você economiza, mais dificuldade encontra para gerar dinheiro.

Então, enfim, você quebra.

O ambiente que você cria em volta de você acaba por destruir você, criando uma realidade de fracasso, porque seu cérebro foi treinado para perder.

Entendeu o problema?

Seu ambiente pode estar sabotando você.

Clique aqui para ler a parte 2 deste texto, sobre como criar um ambiente que inspire você a ter sucesso.

Vai fazer a diferença na sua vida.

Grande abraço e VAMO PRA CIMA!

Giordano Narada
maisdoqueideias

Artigos Relacionados


Giordano Narada

Giordano Narada é empresário, criador da maisdoqueideias, acredita que ideias são sementes de realidade. Idealizador de diversos treinamentos onlines, tem ajudado centenas de pessoas a construir renda a partir da Internet começando do zero, defendendo a ideia de que qualquer pessoa pode empreender se tiver apenas dois elementos simples: Vontade e Informação.

Website:

1 Comentário

  1. Pingback: Como treinar seu cérebro para ter o Sucesso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *