Antes eu queria mudar o mundo, agora só quero uma cerveja

cerveja

Antes eu queria mudar o mundo, agora só quero uma cerveja.

Depois de fazer tanta besteira tentando mudar o mundo, e depois de me tornar proprietário de uma coleção enorme de decepções, eu desisti. Parei de querer ser o dono da bola e o dono do campinho. Aliás, perdi até a vontade de jogar.

Eu fui perdendo aquela fome de vencer na medida em que fui me deparando com o mau caráter das pessoas que encontrei pelo caminho. Ao mesmo tempo, fui percebendo que no mar da vida, eu não fazia o estilo tubarão. E fiquei, até recentemente, com a impressão de que só os tubarões é que ficavam por cima.

Sai de São Paulo, aquela selva de pedra com uma dinâmica implacável e com um nível de exigência em que se pode dizer que “quem faz acontecer em São Paulo, faz acontecer em qualquer lugar”, para morar em uma cidade praiana de 40 mil habitantes, no interior de Santa Catarina. Essa mudança foi incrivelmente radical pra mim. Aqui em Itapema, de uma maneira geral, não existe ninguém querendo mudar o mundo. As pessoas por aqui querem, no máximo, ter uma boa velhice.

Há quem empreenda, há quem discuta política, há quem queira melhorar, mas até agora não conheci um único morador dessa cidade que queira mudar o mundo. E isso de certa forma me fez bem. Me acalmei. Parei de correr.

Quando cheguei aqui eu não dormia. Quando tinha uma boa noite de sono, dormia 3 horas seguidas. Mas isso porque eu tinha um sentimento de urgência em mim. Era como se o mundo todo dependesse de mim. De certa forma eu não estava errado, mas o peso que eu vinha carregando era desproporcional. E foi tudo isso o que me fez chegar à frase que repeti algumas vezes no Twitter por um tempo: “antes eu queria mudar o mundo, agora só quero uma cerveja”.

Depois de um ano morando aqui em Santa Catarina, achei que havia sossegado de vez, mas embora eu saiba que não sou um tubarão, também não sou uma sardinha. Ver tanta gente acomodada, conformada com uma vida mediana, entretendo gente rica que só aparece no verão. Gente boa, com potencial pra fazer alguma coisa visivelmente significativa, mas que opta por ser dona de casa, ou de abrir um negócio local para poder pagar o apartamento que comprou à prestação ou ter um carrinho melhor. Os supermercados fecham pro almoço, padarias vendem pão frio e não abrem de domingo, o shopping é um galpão com stands feitos com divisórias de escritório, e o máximo do sonho de 99,8% dos moradores da cidade é um dia ter uma casa para poder alugar para turistas no verão. E mais uma série de outras coisas que não vou elencar aqui para não ficar descritivo demais, eu me irritei. Fiquei com raiva de tudo isso. E é interessante como a raiva me desacomoda.

O tempo de descanso foi muito importante, mas o desejo de fazer mais e melhor é muito maior do que a decepção.

Não bebo mais cerveja. Não gosto mais do sabor. Por todo o significado que a cerveja tinha pra mim, hoje ela tem sabor de acomodação, de medo, de rancor, de mágoa, de distração, de mediocridade. Já descansei o suficiente, e já bebi cervejas demais. Ta na hora de mudar o mundo outra vez.

Não quero chegar no fim da vida, olhar pra traz e dizer: “construí várias casas para alugar, paguei todas as minhas contas e hoje tenho uma velhice confortável”. Quero deixar a minha marca no universo, quero fazer visivelmente a diferença no mundo. Não que as outras pessoas não tenham sua importância, claro que tem. Tudo tem a sua importância. Mas terminar a vida assim, não é meu caminho.

Quero chegar na reta final, na bandeirada, na linha de chegada, no por do sol da vida, na noite da existência, ou, pra ser mais exato, no dia da minha morte e poder dizer…

VIVI, E VALEU DEMAIS!

Giordano Nârada
maisdoqueideias

Giordano Narada

Giordano Narada é empresário, criador da maisdoqueideias, acredita que ideias são sementes de realidade. Idealizador de diversos treinamentos onlines, tem ajudado centenas de pessoas a construir renda a partir da Internet começando do zero, defendendo a ideia de que qualquer pessoa pode empreender se tiver apenas dois elementos simples: Vontade e Informação.

Website:

1 Comentário

  1. Jam Sávio

    Já eu não quero mudar o mundo. Quero ser apenas independente do mundo. Poder fazer o que eu quero a hora que eu quero, essa é a verdadeira liberdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *